Bursite trocantérica do quadril

A bursa trocantérica é um tecido sinovial localizado superficialmente ao trocanter maior, a parte do fêmur proximal que é saliente lateralmente no quadril. Na realidade, todo indivíduo tem 4 ou mais bursas trocantéricas em cada quadril. Estas bursas funcionam como se fossem um “saco vazio” sobre as proeminencias ósseas, facilitando o deslizamento de tendões e fáscias sobre o osso. Bursite trocantérica é uma causa comum de dor no quadril e os pacientes frequentemente sofrem limitação nas suas atividades físicas e dormem com dificuldade.

A inflamação de qualquer uma das bursas trocantéricas é conhecida como bursite trocantérica e é uma das causas mais comuns de dor no quadril. Algumas pesquisas sugerem que não é somente a inflamação da bursa que causaria dor. As bursas trocantéricas possuem pequenos nervos em seu interior que irritados ou comprimidos podem causar dor.

Causas :

A bursite trocantérica é causada por movimento exagerado dos tendões e fáscias sobre o trocânter maior. Pressão direta pode causar ou agravar os sintomas. Com a evolução da inflamação, a bursa progressivamente perde a sua função deslizante (“como um saco vazio”) e engrossa suas paredes.

Os pacientes com bursite trocantérica frequentemente apresentam uma ou mais das seguintes condições: doença na coluna lombar; diferença de comprimento entre os membros inferiores; doença na articulação sacroilíaca; artrose do joelho e entorse do tornozelo. Acredita-se que estas anormalidades possam alterar a marcha e consequentemente irritar a bursa trocantérica.

Sintomas :

Apesar de existirem mais de quatro bursas trocantéricas que podem ser afetadas, os sintomas são geralmente os mesmos independentemente da bursa afetada. A bursite trocantérica causa dor na lateral do quadril e na coxa, podendo causar dificuldade para caminhar. A pressão direta sobre a bursa aumenta a dor e é difícil deitar sobre o lado afetado. Por todas estas manifestações, a bursite trocantérica pode prejudicar o sono, evitar a realização de atividades físicas e reduzir significativamente a qualidade de vida.

Bursite trocantérica é a causa mais comum de dor lateral no quadril. Porém as seguintes causas também devem ser consideradas: problemas intra-articulares, rupturas nos tendões glúteos; fratura oculta; ressalto externo do quadril; metástases tumorais e outras causas incomuns.

Exames :

Geralmente exames complementares não são necessários para o diagnóstico. Apesar disso, radiografias são solicitadas para excluir-se algumas doenças. Ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética são úteis em alguns casos para auxílio no diagnóstico.

Tratamento :

O tratamento não cirúrgico da bursite trocantérica alcança resultados satisfatórios na maioria dos pacientes, incluindo o uso de medicações, fisioterapia e infiltrações. A resolução definitiva (“cura”) da bursite trocantérica pode ser difícil de ser alcançada em alguns casos, o que não significa que não haverá melhora dos sintomas com o tratamento.

As medicações são analgésicos e anti-inflamatórios. A fisioterapia associa medidas locais de temperatura com exercícios de alongamento dos tecidos que fazem pressão sobre a bursa. Alterações na marcha e função muscular também podem ser corrigidas pela fisioterapia em alguns casos. O uso de ultrassonografia terapêutica, estimulação elétrica percutânea (TENS) ou terapias por ondas de choque podem eventualmente ser indicados. A infiltração da bursa com anestésico e esteróide pode ser indicada quando as medidas anteriores não controlaram os sintomas.

O tratamento cirúrgico é indicado na minoria dos pacientes, naqueles em que os sintomas causam importantes limitações e o tratamento sem cirurgia não trouxe bons resultados. A cirurgia envolve a retirada da bursa inflamada e geralmente a liberação de tecidos (fáscias) causando pressão sobre a bursa trocantérica. Os tendões abdutores são avaliados e rupturas podem ser reparadas, da mesma forma que nos reparos de tendões do ombro. A cirurgia pode ser realizada de maneira tradicional, chamada aberta ou por videoartroscopia (endoscopia). A evolução nos materiais e técnicas têm permitido que procedimentos cada vez mais complexos sejam realizados através da videoartroscopia do quadril.